• Fox IoT

Comparativo de perdas no Setor de Energia Elétrica entre 2018 e 2020.



Já falamos por inúmeras vezes nesse tema aqui no nosso blog. Afinal, perdas no setor elétrico são sempre um assunto relevante e devemos encontrar um caminho para reduzi-las ao máximo.


Hoje nosso levantamento traz uma comparação entre os últimos 3 anos de dados disponibilizados pela Aneel, são eles: 2018, 2019 e 2020.


Nossa análise será em cima das perdas não técnicas, que são as perdas advindas dos furtos de energia (famosos gatos), erros de leitura e faturamento. As outras perdas, chamadas de perdas técnicas, são inerentes ao processo de transporte e distribuição de energia, e a competência para diminuição destas está mais para as áreas de tecnologia e engenharia com o desenvolvimento de equipamentos e materiais mais eficientes e esse não é o nosso objetivo nesse texto.


A ANEEL anualmente realiza um trabalho de relatar as perdas técnicas e não técnicas concretizadas anualmente, por regiões e por distribuidoras. Excelente trabalho de informação realizado pela agência. Todas as informações usadas aqui são vindas destes relatórios e os mesmos podem ser consultados no site da ANEEL.






Na imagem apresentada, expomos o percentual de perdas não técnicas em cada região do Brasil, sendo este o percentual em cima de toda energia injetada que não é faturada. Podemos ver que houve um leve aumento em todas as regiões nos últimos 3 anos, exceto no Sul, onde em 2018 foi maior.


Alguns fatores podem ter influenciado nesses valores, como a pandemia e privatizações, mas não há nenhuma conclusão real sobre isto, apenas especulação.


Percebe-se ainda que o norte tem um volume elevado de perdas, comparado aos outros estados, as distribuidoras desta região têm um trabalho enorme, pois a região fornece desafios gigantes em termos de topografia, clima e localização, visto a grande área e volume baixo de consumidores comparado ao sudeste, por exemplo. Só a título de comparação, o norte tem em torno de 5,6 milhões de consumidores e o sudeste em torno de 40,4 milhões.





Conforme a imagem acima, a média anual de perdas no Brasil em 2020 foi de 14,8%, sendo 7,5% de perdas técnicas e 7,3% de perdas não técnicas. O valor médio de perdas não técnicas é o maior nos últimos 12 anos.


Tendo uma noção geral por região do volume de perdas e percebendo que esse valor é considerável, a pergunta que fica é: “quem paga essa conta?”. E a resposta é: uma parcela quem paga é nós e a outra é concessionária.


Nós, consumidores de energia, pagamos por quem furta. Na média do Brasil, cerca de 3% da fatura de energia é para cobrir esta dívida. A ANEEL é responsável por definir o percentual de perdas que pode ser inserido na tarifa e cada distribuidora tem um percentual diferente.


Essa definição leva em conta o Índice de complexidade de cada distribuidora. Na imagem a seguir, é possível analisar o ranking retirado do relatório Perdas de Energia Elétrica na Distribuição - Edição 1 | 2021 feito pela Aneel.



Só para termos noção, a figura a seguir apresenta em ordem as distribuidoras por volume de perdas percentual sobre a energia faturada na baixa tensão.





Percebe-se que há uma relação entre as distribuidoras que tem o Índice de Complexidade maior com o volume de perdas maior.


A solução para isto é o desafio que temos pela frente. Nós da Fox IoT apostamos muito na tecnologia, acreditamos que setor elétrico deva adotar e incentivar soluções de tecnologia para combatermos este problema. Muito se fala nos últimos dias em crise energética, em racionamento, em faltas de chuvas, em novas fontes de energia, porém com a recuperação da energia perdida, podemos ter uma saída, talvez não resolva todo o problema, mas é um começo.


Tem interesse em conversar mais que soluções podem ser usadas para localização de perdas? Nós podemos auxiliar, entre em contato, vamos bater um papo!



58 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo